Turma 2011

Título: ESCRITAS EXCESSIVAS: DISPOSIÇÕES DE LESBIANIDADES NA NARRATIVA AS TRAÇAS, DE CASSANDRA RIOS
Mestrando: Ana Gabriela Pio Pereira
Orientador: Prof. Dr.Paulo César Souza García
RESUMO:

A dissertação Escritas excessivas: disposições de lesbianidades na narrativa As traças, de Cassandra Rios é resultado de dois anos de estudo do romance As traças (2005), de autoria da paulista que ficou conhecida como “a papisa do homossexualismo brasileiro” (RIOS, 2005). A dissertação intenta analisar como o referido romance permite entrever a desmontagem de uma tradição discursiva sobre a homossexualidade, ao passo que aponta para a emergência de uma política em favor da diversidade de modos de vida. Não mais se trata da heteronormatividade que lê o feminino sob estruturas fincadas na domesticação e nas faces do patriarcalismo e, sim, de como a narrativa coloca uma escrita que desestabiliza conceitos normalizadores. Neste sentido, a estratégia adotada é seguir a trajetória de uma protagonista leitora que, ao reivindicar para si uma posição de mulher e de lésbica, perscruta escritos que estigmatizaram e patologizaramos(as) homossexuais, a fim de colocar em xeque esses discursos. Tal projeto, ao prever uma política identitária, encontra, em discursos encenados por outras personagens, limites, o que possibilita a reflexão em torno do conceito de identidade lésbica e de constructos de gênero. Focados em direção a uma política queer, que tem como propósito criticar o cenário cultural heteronormativo, os argumentos são respaldados pelos diálogos entre textos teóricos e cenas da narrativa que tornam visíveis discursos que desconstroem e descentralizam as ordenações culturais que expressam a dicotomia centro/margem. Estas possibilidades permitem situar a pesquisa no campo dos estudos pós-estruturalistas, referenciando-a por teóricos como Michel Foucault (1982; 1984; 1988) e a filósofa estadunidense Judith Butler (2000; 2008), dentre uma gama de teóricos(as) feministas ou que estudam a questão da identidade. O debate com críticos que abordam a identidade sexual visa compreender como os dispositivos da homossexualidade se fazem presentes na obra de Cassandra Rios e como são refletidos e problematizados. A inserção do trabalho no campo da Crítica Cultural se deve a esta possibilidade de questionar as dicotomias, os binarismos, apontando para a emergência das multiplicidades. Tanto os fundamentos teóricos, os objetivos, a metodologia, quanto a importância de retratar a temática, encontra, neste estudo dissertativo, perspectivas singulares de revelar impressões do queer e do feminismo lésbico na obra literária de Cassandra Rios.

Palavras-chave: Homossexualidade/lesbianidade. Identidade. Constructos de gênero. Feminismo. Queer.
Veja texto completo

Título: LEITURAS E LEITORES: AS PRÁTICAS DE LEITURA DOS PROFESSORES INDÍGENAS KIRIRI CANTAGALO
Mestrando: Angela Carla de Farias
Orientador: Prof.ª Dr.ª Maria Nazaré Mota de Lima
RESUMO:

A pesquisa intitulada Leituras e Leitores: as práticas de leitura dos professores indígenas Kiriri Cantagalo, tem a pretensão de investigar as práticas de ensino da leitura desses professores, pertencentes à Escola Municipal Indígena Marechal Rondon, atual Colégio Estadual Indígena Florentino Domingos de Andrade, localizada na Aldeia Araçás –Terra Indígena Kiriri, Região Nordeste da Bahia, Território de Cidadania Semiárido Nordeste II. O arcabouço teórico utilizado na pesquisa em Ângela Kleiman, Marilda Cavalcanti, Terezinha Maher, Wilmar D’Angelis, Paulo Freire, Aracy Lopes, aprofundando os aspectos mais significativos à educação escolar indígena, leitura e letramento. A pesquisa traz concepções e representações acerca da leitura e das práticas de leitura desenvolvidas pelos professores entrevistados, além de reflexões acerca da educação escolar indígena no Brasil, na Bahia e entre os Kiriri Cantagalo.

Palavras-chave: Educação, Educação Escolar Indígena, Leitura, Letramento..
Veja texto completo

Título: LEITURAS E LEITORES: AS PRÁTICAS DE LEITURA DOS PROFESSORES INDÍGENAS KIRIRICANTAGALO
Mestrando: Jucimar Pereira dos Santos
Orientador: Prof.ª Dr.ª Maria Nazaré Mota de Lima
RESUMO:

A pesquisa intitulada Leituras e Leitores: as práticas de leitura dos professores indígenas Kiriri Cantagalo, tem a pretensão de investigar as práticas de ensino da leitura desses professores, pertencentes à Escola Municipal Indígena Marechal Rondon, atual Colégio Estadual Indígena Florentino Domingos de Andrade, localizada na Aldeia Araçás –Terra Indígena Kiriri, Região Nordeste da Bahia, Território de Cidadania Semiárido Nordeste II. O arcabouço teórico utilizado na pesquisa em Ângela Kleiman, Marilda Cavalcanti, Terezinha Maher, Wilmar D’Angelis, Paulo Freire, Aracy Lopes, aprofundando os aspectos mais significativos à educação escolar indígena, leitura e letramento. A pesquisa traz concepções e representações acerca da leitura e das práticas de leitura desenvolvidas pelos professores entrevistados, além de reflexões acerca da educação escolar indígena no Brasil, na Bahia e entre os Kiriri Cantagalo.

Palavras-chave: Educação, Educação Escolar Indígena, Leitura, Letramento.
Veja texto completo (Parte 1)

Veja texto completo (Parte 2 – Ficha catalográfica)

Título: BRECHAS DA SUBVERSÃO: UMA LEITURA INTERPRETATIVA DE NARRATIVAS ORAIS NA ZONA RURAL DE SÃO FELIPE/BA
Mestrando: Paulo R. C. da Silva
Orientador: Prof.ª Dr.ª Edil Silva Costa
RESUMO:

Propor um estudo das narrativas orais na zona rural de São Felipe – localidade que faz parte do Recôncavo da Bahia, região rica em manifestações populares e de grande influência da tradição oral –é uma oportunidade de reflexão sobre as representações sociais e culturais que são construídas através da memória coletiva. Com base nesta ideia, a pesquisa intitulada “Brechas da subversão: uma leitura interpretativa de narrativas orais na zona rural de São Felipe/BA”, tem como pretensão investigar como marcas culturais e dominantes estão presentes e representadas dentro destas narrativas, como também perceber de que forma os narradores as ressignificam invertendo a ordem e propondo outra possibilidade de reflexão. Apresentar brechas e vozes que subvertem uma ordem estabelecida é colocar em evidência um desejo de fazer ruir uma estrutura, desconstruir conceitos fixados, colocar em questão o paradigma que oprime. Para chegar a estas noções contou-se com um corpus de quatorze contos orais coletados na zona rural de São Felipe. Nestes percebeu-se que o conteúdo vai além de uma brincadeira divertida, pois aparece nas narrativas instâncias de controle, representações sociais, que através do ato performático de cada narrador é sintetizado situações de conflitos sociais. A partir de uma leitura crítica sobre as narrativas e o ato performático de cada narrador percebe-se que estes encontram formas de colocar sua voz e denunciar os problemas dentro de um espaço social.

Palavras-chave: Tradição oral. Narrador. Subversão. Ordem/desordem.
Veja texto completo

Título: ECOS DE VIOLA NO SAMBA DE TAMBORETE: JABUTINAGENS ÀS MARGENS DO SÃO FRANCISCO
Mestrando: Quercia de Oliveira Cruz
Orientador: Prof. Dr. Arivaldo de Lima Alves
RESUMO:

Constituindo – a nas fronteiras da Crítica Cultural com a Antropologia e a História, empreendemos, na presente dissertação, uma reflexão acerca dos impactos do processo de patrimonialização do samba de roda do Recôncavo baiano sobre o samba de véio do Rodeadouro, Juazeiro – BA. Entre as políticas culturais e patrimoniais, nosso atual regime patrimonialista e os discursos constituídos sobre o ser e a cultura negro – diaspórica no Brasil, desdobramos nossas participações observantes, o cotidiano de nossa comunidade campo de pesquisa, as performances do samba de véio, as falas e os depoimentos de nossos sujeitos de pesquisa, o que nos possibilita sopesar as mediações operadas pelo Estado, por iniciativas privadas e particulares nas manifestações culturais. Caminhos próprios de significação e ressignificação, entretanto, constituem a resistência dos tamboretes de véio.

Palavras-chave: Samba de véio. Samba de roda. Patrimonialização; políticas culturais e patrimoniais. Cultura negro – diaspórica.
Veja texto completo

Título: A DIMENSÃO ÉTNICO – RACIAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES/AS:REFLEXÕES A PARTIR DA LICENCIATURA EM LETRAS DA UNEB
Mestrando: Tássia Fernanda de Oliveira Silva
Orientador: Prof.ª Dr.ª Maria Nazaré Mota de Lima
RESUMO:

Este estudo trata da formação de professores/as no curso de Letras com habilitação em Língua Portuguesa e Literaturas da Universidade do Estado da Bahia – UNEB, no que tange a questões relativas à diversidade étnico – racial constitutiva da sociedade brasileira, de acordo com o que dispõe a Lei nº 10.639/03, que altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB – Lei 9.394/96) de modo a incluir o estudo da história e cultura afro – Brasileira e africana em escolas e universidades. Associando a discussão étnico – racial às políticas de ações afirmativas na educação, este texto filia – se teoricamente ao pós – colonialismo, na medida em que busca rasurar o pensamento colonial, solidificado pelo racismo institucional, frequentemente presente em escolas e universidades. Assim, além de autores e autoras que discutem relações étnico – raciais e/ou educação, esta pesquisa traz a documentação referente aos cursos de Letras em geral e ao curso de Letras da UNEB, a voz de estudantes e egressos acerca deste, coletadas através da experiência do tirocínio docente e da composição do grupo focal, entrevista com cotistas, assim como dados de pesquisa e extensão. Essa metodologia permitiu inferir acerca do comprometimento da UNEB com a educação para a diversidade étnico – racial bem como identificar alguns dos principais avanços da instituição e os possíveis desafios a serem enfrentados por ela, de forma a melhor cumprir sua missão junto ao público a que atende, majoritariamente professores/as em formação para atuar na educação básica.

Palavras-chave: Educação, Educação Escolar Indígena, Leitura, Letramento.
Veja texto completo

Título: CLARICE LISPECTOR EM MOVIMENTO: A RECEPÇÃO DAS TRABALHADORAS RURAIS DE ALAGOINHAS
Mestrando: Juliana Andrade de Moraes
Orientadora: Prof.ª Dr.ª Jailma dos Santos Pedreira Moreira
Co-orientador: Prof.Dr. Carlos Magno Gomes
RESUMO:

Esta dissertação apresenta um estudo sobre as leituras que mulheres trabalhadoras rurais fizeram da obra de Clarice Lispector, a partir de seu contexto social. Com base no olhar da crítica feminista, analisaram – se os posicionamentos dessas trabalhadoras referentes ao espaço da mulher na sociedade rural. Entre os principais temas, debateu -se o direito à educação dessas mulheres e as questões da violência contra a mulher. Com esse objetivo, foram selecionados os contos de Clarice Lispector: “Felicidade clandestina” e “Restos do carnaval”, de Felicidade Clandestina (1971); “Amor”, de Laços de Família (1960); “A língua do ‘p’” e “O corpo”, De A via crucis do corpo (1974), que fazem referência a diferentes modos de opressão feminina. Para tanto, recorreu – se às discussões sobre feminismo e movimento social, assim como ao campo da crítica cultural. Ademais, foram utilizadas as abordagens sobre a fortuna crítica de Clarice Lispector, as contribuições teóricas sobre a recepção, acrescentando – se os debates sobre leitura e submissão feminina. O método utilizado foi a pesquisa qualitativa, junto aum grupo de Mulheres Trabalhadoras Rurais do Ponto do Beijú, zona rural de Alagoinhas, município do interior da Bahia. Foi ministrado um curso do qual elas participaram, para ler e relacionar as narrativas de Clarice Lispector às narrativas de vida de cada uma. Após o curso, foram realizadas entrevistas, para o registro das falas dessas trabalhadoras rurais,que colocaram a obra de Lispector em movimento. Esta pesquisa está dividida em três capítulos: no primeiro, Feminismos e Movimento de Mulheres Trabalhadoras Rurais, discutimos as três ondas feministas e o movimento social, com destaque para a atuação do Movimento de Mulheres Trabalhadoras Rurais (MMTR) – Nordeste. No segundo, Recepções da escrita de Clarice Lispector, realizamos um levantamento da fortuna crítica clariceana. Já no terceiro capítulo, Leituras em Movimento, nos dedicamosàs leituras que as trabalhadoras rurais realizaram dos contos clariceanos. Como resultados, identificamos que a leitura dos contos clariceanos coloca em evidência as lutas e as singularidades das trabalhadoras rurais, ao debater sobre temas sociais que estão atrelados ao cerceamento feminino. Assim, aferimos que os textos de Clarice Lispector encontraram ecos no MMTR, visto que as mulheres engajadas neste movimento relacionaram tais narrativas ficcionais à própria narrativa de suas vidas e lutas, colocando em movimento o próprio MMTR, a textualidade clariceana e, sobretudo, a vida de cada uma.

Palavras-chave: Clarice Lispector. Movimento Socialde Mulheres. Leituras.
Veja texto completo

Título: A POÉTICA CRÍTICO – SOCIAL DE PATATIVA DO ASSARÉCARTOGRAFIAS CONTRA – HEGEMÔNICAS DO NORDESTE E DO SERTANEJO NORDESTINO
Mestrando: Vanderley Vitoriano de Oliveira
Orientador: Prof.ª Dr.ª Jailma dos Santos Pedreira Moreira
RESUMO:

O presente trabalho se insere no campo de pesquisa em Crítica Cultural e visa discutir a poética crítico – social de Patativa do Assaré enquanto instrumento cartográfico de desmontagem de produções discursivas hegemônicas sobre o Nordeste e o sertanejo nordestino, construídas no período de formação da identidade nacional brasileira e pautadas na lógica do pensamento moderno. Para tanto, utiliza – se a cartografia por representar um aparato teórico – metodológico que oferece condições de adentrar os labirintos constitutivos da poética patativana, contribuindo significativamente no intuito de compreender melhor o caráter de sua oralidade e a natureza política de seu enunciado, entre outros elementos que compõem o arsenal literário e cultural da sua obra caracterizada, sobretudo, como uma “literatura menor”. Além disso, esta pesquisa tem como proposição analisar esta produção do poeta enquanto umlocus de enunciações múltiplas que se movimentam no terceiro espaço como uma produção subjetiva singular. Assim, a poética de Patativa do Assaré apresenta – se como mais uma porteira aclaradora do sertão nordestino, despontando como uma tecnologia contra – hegemônica, um contradiscurso dentro do imaginário socio cultural produzido acerca do Nordeste e do sertanejo nordestino, evitando assim simulacros e decalques imagéticos, e agenciando imagens numa perspectiva concreta e crítico – social. Além disso, essas linhas de fuga rabiscadas pelo poeta permitem ainda a percepção de uma outra cartografia deste espaço que não se fixa em fronteiras geopolíticas, mas que se desloca constantemente de forma intersubjetiva (rizomática) através das diversas conexões estabelecidas pelos seus habitantes.

Veja texto completo

Título: ARTE – EDUCAÇÃO: ENTRE A ESTÉTICA DE VIDA, LUTA MINORITÁRIA E CONTROLE DE ESTADO
Mestrando: Wilson Sousa Oliveira
Orientador: Prof. Dr. Osmar Moreira dos Santos
RESUMO:

Trata – se de uma investigação sobre as manifestações artísticas e culturais dentro da Arte – educação a partir das noções de arte e cultura sob o domínio do Estado e sob o viés da Crítica Cultural. Tomando como problema a distância entre os livros didáticos de Arte e a cultura dos estudantes, os objetivos foram identificar os ideais de arte e de cultura presentes nos materiais didáticos e fazer uma leitura crítico – cultural dessas noções, atentando – se para o poder do Estado, Movimento Negro Unificado e Movimento Indígena. Através de uma pesquisa bibliográfica, o levantamento de dados ocorreu por meio de estudos de livros didáticos, Parâmetros Curriculares Nacionais, entre outros documentos do Estado referentes à Art . Feita a leitura dos dados coletados, chegou – se aos seguintes resultados: os livros de Arte não atendem a os ideários de cultura e arte, mas reforçam a ideologia do Estado, contribuindo com a exclusão de participação do indivíduo como ser cultural. Em suma, o Movimento Negro Unificado e Movimento Indígena apontam outras formas de estudar a Cultura e a Arte, pensando na valorização do humano e da vida.

Palavras-chave: Estado; Cultura; Arte; Movimentos Sociais; Arte – Educação.
Veja texto completo